terça-feira, 13 de julho de 2010

Ame.

"Ame à Deus porque Ele é Deus. Ame as pessoas porque são criação de Deus. "

quarta-feira, 7 de julho de 2010

O Verbo.

                 A. W. Tozer



Acredito que grande parte de nossa incredulidade se deve a um conceito errôneo a respeito das Escrituras. Deus está silencioso e, subitamente, começa a falar em um livro. Terminado o livro, cai no silêncio outra vez, e para sempre. Por isso, muitos lêem a Bíblia como se fora o registro do que Deus disse quando estava com vontade de falar. Se pensarmos desta forma, como poderemos confiar plenamente? O fato, contudo, é que Deus não está calado, e nunca esteve. Falar faz parte da natureza de Deus. A segunda pessoa da Trindade é chamada de Verbo (Palavra). A Bíblia é o resultado inevitável da contínua manifestação de Deus. É a revelação infalível de Sua mente, a nós dirigida, expressa em termos humanos,para que possamos compreendê-la.

terça-feira, 6 de julho de 2010

Agonia

video

 
Vídeo impactante. Veja.

domingo, 4 de julho de 2010

Humor



Nunca é bom o suficiente....

Culpa

Por   J. Karen



O bem que fazemos parece-me irrisório mediante as minhas análises repetidas e constantes.
 Na corrida secular de nossos egoísmos é quase ínfimo qualquer bom pensamento que eu possa ter ou meras tentativas de aplacar o desgosto dessa prisão atroz.

  Embora a loucura nos envolva nos breves momentos de nossas solitudes a tortura mental organiza nossa consciência de modo a cauterizar nossa culpa.

  Uma culpa cultivada a duras penas pode facilmente tornar-se irreversivel e destrutiva.
  Se pudesse conceituar características específic as atribuíveis à culpa talvez a principal pudesse ser a auto imperdoabilidade humana que pode se apresentar em duas esferas. No homem perdido manifesta-se como a não aceitação relativa a sua percepção de si mesmo. O homem mundano não aceita seu erro pois consider-ase poderoso demais em relação a qualquer imperfeição.
  O cristão não perdoa a si mesmo por considerar-se tão miseravelmente vulnerável a ponto de não honrar seu Deus.
  Dessa forma é possível conceber a idéia de um ego mal administrado enfraquecido ou exageradamente alimentado por opiniões adulteradas.
  Notoriamente em um mundo de infinitas facilidades torna-se um ato miraculoso ao homem comum renunciar as práticas concernentes à sua natureza decaída. No entanto tratando-se do cristão, munido da salvação que opera as mais extraordinárias transformações, a culpa pode macular o real arrependimento. Aquele que se arrepende e se inclina para pedir perdão acreditando fielmente no Deus que vive e o vê, deveria ( por uma questão lógica ) perdoar-se , uma vez que a parte mais difícil já foi feita, por aquEle que tem o nome sobre todo nome.
     Aquele que tenciona pedir o perdão de Deus e ainda assim manter um controle ( ainda que parcial ) sobre seus sentimentos, age em vão.



Com Amor & Valor,  J. Karen